Domingo

Curta metragem / Videoinstalação  | COR | SONORIZADO | 25′ | 2018

Um curta metragem com versão videoinstalação que faz parte de um projeto documentário de narrativa transmídia com a Família Stronger, um coletivo LGBTQIA+ da periferia de São Paulo. Filmado em um único dia, o trabalho transita de um almoço de família a uma conturbada manifestação de rua na semana do golpe de 2016.

[TRAILER]

 

[POSTER]

“Um filme dos artistas brasileiros Paulo Mendel e Vitor Grunvald se destaca (e) demonstra até que ponto o Estado vai agir para proteger sua soberania.”

ArtReview – Dezembro 2019

 

“Uma mistura de Ryan Trecartin, “Paris is Burning” e “A Grin Without a cat”, nós acreditamos que “Domingo” é algo realmente especial.”

Instituto Real de Antropologia da Grã-Bretanha e Irlanda

 

Indicado como uma das “10 obras que você precisa ver na Bienal do Videobrasil”.

Arte que Acontece – Janeiro 2020

 

É, em suma, um filme que revela um Brasil que resiste a novas tiranias que se impõem ao coletivo e aos indivíduos nas suas múltiplas subjetividades.”

VENCEDOR DO PRÊMIO APA  2019 – FILME ETNOGRÁFICO

Associação Portuguesa de Antropologia

 

 

SINOPSE

Um colorido e barulhento encontro com a Família Stronger, um coletivo LGBTQIA+ da periferia de São Paulo. Através de uma tela dividida, Domingo retrata um único dia no qual o coletivo se une para um animado almoço de família e, então, segue para as ruas em um dos protestos contra as forças conservadoras que culminaram no golpe de 2016. A câmera se move livremente entre o tempestuoso grupo, captando os gracejos espirituosos dessa família LGBT e a força de sua vontade política contra um estado que busca oprimir suas vozes.

  

Na primeira parte do filme, as interações e diálogos revelam as dinâmicas de parentesco que operam dentro desse coletivo. Os Strongers constroem relações alternativas de parentesco quando vistas a partir de concepções hegemônicas de família que, nas tradições euroestadunidenses, são fundamentalmente marcadas pela ideia de consanguinidade. No lugar do sangue como símbolo que estrutura as relações, esses grupos formam comunidades e coalizações que são, ao mesmo tempo, afetivas e políticas.

Na segunda parte, os Strongers levam o espectador para uma importante manifestação de rua, que marca o conturbado cenário político do Brasil. Apesar dos protestos serem uma constante no dia-a-dia de uma cidade grande, as cenas mostram tanto uma mobilização social de grande porte como também a truculenta resposta do estado e da polícia para reprimir o legítimo direito dos manifestantes.

 

2019 16º Royal Anthropological Institute Film Festival | Programa Queer Brazil | Bristol, Inglaterra
  21º Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | São Paulo, Brasil
2020 RAI@USC 2020 | The Rainbow Reel (shorts program) | Los Angeles, Estados Unidos